“Mediunidade, grande portal para o Terceiro Milênio, a era da luz que se delineia para toda a humanidade da Terra, ou seja, para todos aqueles que se colocarem à direita do Cristo. Nesta nova obra, Ramas nos traz orientações precisas, racionais e, acima de tudo, amorosas, a fim de que os seres humanos possam burilar a sua sensibilidade e receberem o Cristo na sua tão esperada “segunda-vinda”, que se dará pela via interna do espírito e não mais através da reencarnação de um ser. Que possamos todos aproveitar esta oportunidade e, lastreados nos ensinamentos de Allan Kardec, de Ramas, bem como de orientações trazidas por tantos outros médiuns, arautos do Cristo que viveram e vivem na Terra neste momento luminoso, nos tornemos ferramentas, luzes nos caminhos de nossos irmãos (...)”.

Mediunidade de A a Z: o Portal da luz Obra de Ramas, psicografado por Hercílio Maes. Sinopse disponível em: hps://www.amazon.com.br/Mediunidade-Z-Portal-luzramat%C3%ADs/dp/8576184257/ref=sr_1_23?__mk_pt_BR=%C3%85M%C3%85 %C5%BD%C3%95%C3%91&keywords=ramas&qid=1554991277&s=gateway&sr =8-23. Acessado em 11/04/19.

Diálogo com um Executor traz um diálogo aberto entre o autor espiritual, Mário Ventura, e o médium Rubens Saraceni, que mostra um quadro geral de como se desenrolou a queda do espírito Mário, seu suplício e seu resgate no mundo dos espíritos. Hoje ele é um espírito que vive na Luz e mostra ao leitor as trilhas negras que o ser humano abre para si quando toma em suas mãos os rigores que cabem somente à justiça Divina. Um dos esclarecimentos apresentados refere-se às marcas do desencarne. Ele explica que quando dizemos que alguém descansou (quando deixa o corpo material), essa afirmação nem sempre é verdadeira, uma vez que a dor e o sofrimento físicos estendem-se ao corpo espiritual, pelo menos até que o desencarnado receba o tratamento devido. Em outra parte, Mário deixa claro que esse atendimento é fundamental, porque a persistência no suplício gera uma animosidade emocional com consequências fatais para o mental do indivíduo. Em muitos casos, a não-observação dessa regra básica leva muitos espíritos de volta aos caminhos sombrios do ódio, da dor e da vingança. Mário não tinha afinidades aparentes com as Trevas mas, ao desencarnar, deu vazão ao seu desejo de vingança e a Lei o colocou em sintonia e a serviço de entidades negativas. Ao tomar para si o direito de interferir no carma de sua filha Priscila, provocou a transformação de todos aqueles que se envolveram com ele não só na última, mas também em outras encarnações. Diálogo com um Executor abrirá sua mente para muitas reflexões.

 

 

Sinopse: Que relação pode haver entre Allan Kardec, São Jorge, Zé Pelintra, Getúlio Vargas, Zélio de Moraes e Jesus de Nazaré? Em Das Macumbas à Umbanda, José Henrique Motta de Oliveira, mestre em História Comparada pela Ufrj, refaz o caminho percorrido por antigos cultos cariocas, a fim de analisar o processo de legitimação da umbanda no seio da sociedade brasileira, à época do Estado Novo, período político ditatorial em que o cidadão comum busca a paz na religião.

Entre a “macumba”, culto que saltou das senzalas para os porões da casa grande, apresentando heranças do catolicismo popular e tradições afro-indígenas, e o kardecismo, com seu caráter normatizador e científico, a umbanda encontrou na sua institucionalização como religião o passaporte para o “mundo da ordem”, imposto pela ditadura Vargas. “O mundo do trabalho e da garantia dos direitos sociais se opõe ao ‘mundo da desordem e da malandragem’, representados por Zé Pelintra; Ogum (ou São Jorge) se afasta do caráter agrário das tradições africanas e torna-se, no Brasil, o guerreiro vencedor de demandas que conduz a umbanda aos planos mais elevados das religiões de maior prestígio social da época”, afirma o pesquisador.

Ao analisar a inserção de elementos da classe média urbana na “macumba” carioca, que mediaram códigos sociais, políticos e religiosos, a fim de transformar magia em religião, curandeiros em sacerdotes, assistencialismo em caridade, e prestigio político em respeitabilidade religiosa, o autor faz uma ampla abordagem do amálgama cultural que caracterizou esse período histórico em que a nação brasileira aceita a sua própria mestiçagem. Das Macumbas à Umbanda é, portanto, obra esclarecedora que enriquece a literatura espiritualista e comemora os 100 anos de existência institucional da umbanda.

Nas sessões experimentais ou mediúnicas, nos memoráveis diálogos com as Entidades sofredoras e infelizes do Além túmulo, conseguindo encaminhá-las para o Bem e dissuadir as mais empedernidas de concretizarem os propósitos negativos, nos desforços obsessivos a que se entregavam,  revelou-se um hábil e generoso doutrinador. Por isso, Manoel P. de Miranda tornou-se um grande conhecedor das técnicas de libertação das consciências obnubiladas pelo ódio e pela perversidade.

Retornando do Mundo Espiritual pela mediunidade de Divaldo P. Franco, prossegue ensinando e auxiliando quantos se interessam pelo estudo da Obsessão e pelas técnicas da Desobsessão nestas quatro obras que ora enriquecem a biblioteca do aprendiz da Doutrina Espírita. A mediunidade psicográfica de Divaldo Franco já produziu 48 Obras dos mais variados estilos literários. 

VALE A PENA CONFERIR!!! 

Muitos confundem Umbanda e Macumba. A grande maioria das pessoas, leigas, não sabe o que é Umbanda e muito menos o que vem a ser Macumba. Macumba é o nome de um instrumento de percussão que era muito utilizado em alguns dos cultos afro-brasileiros no passado. Hoje esse termo tem uma conotação pejorativa utilizada como forma de discriminação e preconceito. Umbanda é uma religião brasileira fundada por um brasileiro, que pratica única e exclusivamente o bem. O fundamento mais básico desta religião diz: “Umbanda é manifestação do espírito para a prática da caridade”. Qualquer coisa diferente disso não é Umbanda. Com uma linguagem simples e objetiva, este livro se destina a todos que querem entender o mínimo e o básico sobre Umbanda e entender que Umbanda não é Macumba. 

Cumino, Alexandre. (2014). Umbanda não é macumba - Umbanda é religião e tem fundamento. São Paulo: Madras.

Posts recentes

Leia mais...

Mais Lidos

Destaques ACVE

Quem somos

O Ação Cristã Vovô Elvírio é uma Associação civil com tempo de duração indeterminado, com personalidade jurídica, orientadora, espiritualista, de Utilidade Pública, sem fins lucrativos, CNPJ 09.598.578/0001-66.

Para doar qualquer quantia:

Banco do Brasil

Agencia: 1419-2

Conta corrente: 430.021-1

CNPJ: 09.598.578/0001-66

Objetivos da Associação (Estatutários):

a) Promover assistências sociais, médicas e odontológicas, culturais, educacionais e de formação profissionalizante às famílias e pessoas carentes através de profissionais habilitados;
b) Promover e apoiar atividades e eventos relacionados com o estudo e aprimoramento espiritualista e/ou afins, utilizando tecnologias e meios diversos de divulgação, esclarecendo os ideais e princípios espirituais cristãos trabalhando pelo aprimoramento da igualdade e dos bons costumes, para a evolução do ser do humano;
c) Apoiar a divulgação de obras concordantes com seus princípios;
d) Estimular e promover a caridade espiritual, moral e material;
e) Conhecer a importância das consequências dos atos das pessoas na natureza para a preservação do Planeta, por meio de estudo, campanhas e outras formas, para a devida conscientização coletiva;
f) Respeitar as leis naturais, ambientais e civis que regem a sociedade.

a) Igualdade entre os seres;
b) Assistência social como forma de promover a evolução humana;
c) Estudo científico, técnico, cultural e moral como forma de desenvolvimento das potencialidades humanas;
d) Preservação do Planeta como forma de manutenção da vida.

Onde estamos


Indicação de Leitura