A VIAGEM QUE É A VIDA

Escrito por Médium Matheus Guedes
Avalie este item
(0 votos)

Na vida somos colocados em constantes desafios, que vão moldando-nos e ensinando-nos os caminhos pelos quais trilhar. Quando aprendemos por uma experiência amarga, fazemos todo o esforço necessário para que aquela dor não se repita; já dos aprendizados felizes, por assim dizer, lembramos com carinho e buscamos a todo custo repeti-los.

Existem aquelas experiências ruins, dolorosas, que nos são dadas como aprendizados para surpresas guardadas adiante e muitas vezes não fazemos ideia de quais sejam. Tem até aquele ensinamento de sabermos entregar as coisas nas mãos de Deus e confiar, ter fé. O problema é que, na grande maioria das vezes, questionamos e até não aceitamos uma situação adversa que nos foi dada justamente para nos preparar para algo ainda melhor do que o que foi pedido.

Precisamos ter flexibilidade em todos os momentos. Nos momentos felizes, precisamos ter ciência de que são passageiros e deixam marcas suaves em nosso pensamento; nos momentos ruins, temos grandes ensinamentos que ficam registrados como tatuagem em nossa pele, dizem que são muito mais fáceis de serem lembrados exatamente por isso, são vividos de forma profunda e intensa.

Sabermos distinguir aquilo que queremos é essencial. Se temos um objetivo de vida, planejamos uma rota e trilhamos um caminho, dificuldades existirão, mas estamos em busca de algo maior e melhor para as nossas vidas. Dessa forma, todo sacrifício vale para que a recompensa venha. Mas, quando não temos certeza de onde queremos chegar, nem o caminho por onde seguir, qualquer proposta durante o percurso é aceitável e as dificuldades não serão suportadas por não serem embasadas em um propósito maior.

Todo ser humano tem o direito de sonhar, mas sonho sem ação não vira realidade. Busque, no seu íntimo, aquilo que te faz bem, engrandece e conforta. Onde você gostaria de estar daqui a 5 anos? E daqui a 10 anos? E 25 anos? Essas perguntas o ajudarão a separar aquilo que é essencial na sua vida, daquilo que é supérfluo e passageiro.

 

“Tive muitas coisas que guardei em minhas mãos, e as perdi. Mas tudo o que eu guardei nas mãos de Deus, eu ainda possuo.”

 

Martin Luther King