DE QUEM É A CULPA?

Escrito por Médium Lucius Lettieri
Avalie este item
(2 votos)

Estamos socialmente condicionados a acreditar que forças alheias à nossa vontade são responsáveis pelos acontecimentos de nossa vida. Até aí, tudo bem. Mas essa tendência faz com que transfiramos a responsabilidade dos nossos erros para outras pessoas. Ocorre que é sempre mais fácil encontrarmos um vilão externo do que identificarmos as nossas falhas. Comodidade! Ou ainda, escapismo. Escap... o quê?

Escapismo

Propensão para fugir à realidade ou ao cotidiano, por meio da abstração, da fantasia, geralmente para não vivenciar situações ruins.

[Pejorativo] Tendência para se afastar de situações ruins para não as resolver.

Maneira de agir que resulta dessa fuga à realidade, geralmente por defesa.

https://www.dicio.com.br/escapismo/ pesquisado em 31/10/2018.

É claro que existem circunstâncias que nos colocam sem governabilidade da situação. Mas, salvo poucas exceções, somos nós quem ditamos o ritmo e a direção de nossa vida. Até mesmo quando as referências são limitadas, são nossos aspectos morais e intelectuais que guiam nossas decisões. E todos nós fazemos escolhas boas e ruins. Isso, porque nossas atitudes variam de acordo com a dificuldade e complexidade da situação que estamos enfrentando. Mas assumamos responsabilidades!

Nem sempre a culpa é do chefe. Nem sempre é o companheiro quem te faz infeliz. Nem sempre é o colega que não te entende. Às vezes, foi você que começou a discussão. Que se pôs indiferente. Que não atendeu às expectativas. E não notou tudo isso. Reflita. Você percebe que há um mundo à sua volta que te observa da mesma forma que você observa os outros? Esse mundo é espelhado. E não é preciso dizer como os espelhos funcionam.

Para os mais espiritualizados, mesmo diante dos constantes bons e maus conselhos dos encarnados e desencarnados, somos nós quem escolhemos o caminho a seguir. É evidente que há enorme prestígio nos esforços dos bons mentores quando seguimos os seus conselhos e adotamos uma postura altruísta. Aqui, todos têm seu mérito. A cada um, seu vintém. Também, há grande responsabilidade das entidades mal-intencionadas que tentam nos induzir a agir com crueldade e egoísmo. Mesmo assim, permanece a sua responsabilidade. E cada um paga a sua conta. Não há como fugir dela.

E as demandas? Diga-me você. Escapismo? Calma. Elas realmente existem, mesmo as involuntárias. Diriam que “tem gente que não aguenta ver a felicidade dos outros”. Mas essa gente não é tanta gente assim. Mesmo que o fosse, você só recebe aquilo que cabe no seu bolso. Aliás, você acha que apontar demanda dos outros também seja uma forma de demanda? Não sei dizer... talvez seja.

 

Mas uma coisa é certa, o trabalho é a solução para as suas dificuldades. Capacite-se. Aprenda. Pratique a caridade. Invista em si. Se esforce ao máximo. Supere seus limites, mas respeite o limite dos outros. Aplique a reforma íntima. Olhe nos olhos do próximo. Não precisa levantar a cabeça demais. Nem abaixar. Olhos nos olhos já bastam. Lembra do espelho? Tenha sonhos. Sim! E sonhe com positividade. Mas mantenha um pé na realidade. Dessa forma, sim, vale ser escapista.